sábado, 31 de maio de 2014

Luciana Gimenez nega que tenha sido possuída por demônios durante o Superpop: “Absurdo”



A apresentadora Luciana Gimenez negou que estivesse possuída por algum espírito maligno no inusitado episódio da última segunda-feira, 26 de maio, quando desmaiou no palco do Superpop, programa transmitido ao vivo pela RedeTV!.
“Mentira. Se eu tivesse sido possuída, eu lembraria. Não sei, nunca fui possuída. É um absurdo”, afirmou Gimenez ao portal Uol. Na última segunda-feira, o tema de debate do programa era religião, e entre os convidados haviam representantes de religiões afro-brasileiras e pastores.
“Acho que puxei meu corpo além do que deveria”, disse a apresentadora, afirmando que o susto foi resultado de pouca atenção à sua saúde: “Quando você está fazendo um programa ao vivo – e eu já tinha feito um outro gravado – você tem que estar bem, com a energia para cima, e minha energia talvez não estivesse. Aí acho que realmente tive um momento de cair dura, de passar mal, de pressão baixa. Não foi nada demais. Ou melhor, foi realmente um alerta de que eu tenho que prestar mais atenção à minha saúde”.
Nas redes sociais, a apresentadora havia creditado o mal-estar a uma forte gripe. Ontem, Gimenez voltou a reforçar sua desconfiança: “Eu estava me sentindo mal, com dor no corpo, mas eu tenho vários compromissos profissionais e sou dura na queda. Não dá para falar não para um monte de coisa, porque não tenho ninguém para fazer por mim. Talvez eu teria que falar mais não, mas como é que não vou fazer? Tem pessoas que dependem de mim, tem equipe me esperando. Não tem ninguém lá para apresentar o ‘Superpop’ no meu lugar. Não tem ninguém para ficar com meu filho no meu lugar”, explicou.
Luciana Gimenez queixou-se ainda que vem acumulando muitos compromissos e sua rotina tem sido extenuante: “Acho que ontem eu estava realmente muito cansada, estava bem gripada, estafada. Estou com um pouco de estafa, até profissional mesmo, porque estou me esforçando muito, eu gosto do que eu faço, faço muitas coisas ao mesmo tempo [...] No fim de semana, faço questão de ficar com meus filhos. Tenho uma criança de três anos que é muito ativa, corre pra lá, corre pra cá, não dá para deixar a peteca cair. Aí no domingo, em vez de ficar em repouso, eu levei meu filho ao teatro. Juntou muita coisa”, resumiu.

Papa Francisco abre a possibilidade de discussão sobre o fim do celibato obrigatório: “Não é um dogma”



Um dos temas mais delicados da Igreja Católica, o celibato, pode ser um dos pontos de novos debates no Vaticano durante o pontificado de Francisco. Durante uma entrevista coletiva, o papa afirmou que está aberto à troca de ideias sobre o assunto.
No voo que o levava de Tel Aviv à Roma, Francisco destacou que a exigência do celibato não é um dogma de fé, embora ele a aprecie muito: “A Igreja Católica tem padres casados, católicos ​​gregos, católicos coptas e no rito oriental. Não é um debate sobre um dogma, mas sobre uma regra de vida que eu aprecio muito e que é um dom para a Igreja. Por não ser um dogma da fé, a porta sempre está aberta [à discussão]”, afirmou.
Segundo informações da revista Veja, recentemente um grupo de 26 mulheres enviaram uma carta ao papa pedindo que ele repensasse o veto ao casamento para padres. Embora anônimas, elas revelaram viverem com padres, e pediram “com humildade que alguma coisa mude, não apenas por nós, mas também pelo bem de toda a Igreja”.
O celibato é tido como um tabu dentro da Igreja Católica, e as declarações de Francisco demonstram uma certa flexibilidade sobre o assunto, apesar de o próprio papa ressaltar que é um entusiasta da obrigação e ter pedido, no último mês de março, que os novos padres devem ser formados “para viver de verdade as exigências do celibato eclesiástico, assim como ter uma relação justa com os bens materiais”.
A abertura da possibilidade de debate sobre o tema começou em setembro de 2013, quando o monsenhor Pietro Parolin, considerado o número 2 no Vaticano, afirmou que o celibato “não é um dogma e é possível discuti-lo, já que é uma tradição da Igreja”.
Em 1997, o cardeal e teólogo Joseph Ratzinger – que em 2005 seria eleito papa Bento XVI – publicou um livro intitulado O Sal da Terra, e em um dos tópicos sobre o celibato, Ratzinger afirmou que “com certeza não é um dogma”.

Pressão da bancada evangélica leva ministro da Saúde a revogar portaria que legalizava o aborto



A polêmica gerada pela portaria do Ministério da Saúde que abria precedentes para a prática do aborto na rede do Sistema Único de Saúde (SUS) com os custos pagos pelo governo federal levou o ministro Arthur Chioro a prometer que revogaria a determinação.
O recuo aconteceu depois da pressão feita por setores da sociedade contrários ao aborto e de um ameaças de ações judiciais.
“O Partido Social Cristão (PSC) anuncia ao povo brasileiro que vai recorrer à Justiça contra a Portaria 415, do Ministério da Saúde, que oficializa o aborto no nosso país. Esta decisão atende o clamor dos brasileiros que vêem  na medida do governo uma brecha para a oficialização da interrupção da vida.  Ao custo de R$ 443,30 (quatrocentos e quarenta e três reais e trinta centavos) o governo reduz princípios básicos da vida e da família a pó”, dizia a nota divulgada pelo partido dos pastores Everaldo Pereira, pré-candidato à presidência da República, e Marco Feliciano, deputado federal candidato à reeleição.
O senador Magno Malta (PR-ES), ferrenho opositor da proposta de legalização do aborto, já havia convocado a comunidade cristã para se posicionar sobre o tema: “Chamo a atenção para que nós cristãos, que entendemos o aborto como uma afronta à natureza de Deus, nos levantemos, nos insurjamos e exijamos que essa portaria seja revogada”.
Outro que se posicionou contrário à medida foi o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), líder da bancada de seu partido na Câmara dos Deputados e integrante da bancada evangélica, que se juntou ao coro dos contrários à medida: “Alertei [o ministro Arthur Chioro] que estava ingressando na Câmara dos Deputados com um projeto de decreto legislativo para revogar a portaria 415 do ministério. Alertei a ele que pelos termos da portaria ela estaria legalizando o aborto ilegal. Nesta quarta (28), o ministro me procurou para comunicar que estudou a portaria editada por uma secretaria do Ministério e entendeu que havia falhas. Logo resolveu revogá-la para melhor estudá-la. Quero deixar aqui registrado o agradecimento ao ministro pela compreensão do tema e pela decisão tomada de revogação da portaria 415. Certamente, após estudá-la, ele deverá apresentar alguma nova proposta ou nova portaria nos estritos termos da legislação vigente”, relatou o parlamentar.

Sobre a legalização do aborto

A portaria do Ministério da Saúde autorizava o aborto na rede do SUS em casos de vítimas de estupro, risco de vida da gestante ou gestação de anencéfalo, este último já legalizado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).
Após a pressão ter sido eficaz na derrubada da portaria, Malta comemorou: “As investidas foram muitas, mas nós resistimos! Parabéns à frente evangélica, à frente da família, que eu tenho orgulho de presidir, parabéns até àqueles que, independente de sua confissão de fé, acreditam na vida, como nós acreditamos”.

Em discurso para jovens atores, Denzel Washington fala sobre uma vida de oração e ensina a orar todos os dias



Cristão, o premiado ator Denzel Washington fez um discurso a um grupo de jovens atores no qual, entre outras coisas, falou sobre sua vida de oração, e revelou alguns dos hábitos que cultiva para ajudá-lo a se lembrar de orar todos os dias.
O vídeo do discurso de Washington foi publicado no Facebook pelo cantor de R&B e também ator Tyrese Gibson. No vídeo, o ator aparece falando a um grupo de que parece ser de estudantes de teatro, motivando-os a usar seu talento para o bem e a nunca se esquecerem de orar.
Entre suas dicas está a de colocar os sapatos “embaixo da cama à noite” porque dessa forma “você terá que se ajoelhar pela manhã”, e então não se esquecerá de fazer suas orações.
- Eu oro para que todos vocês coloquem seus sapatos embaixo da cama, à noite, de modo que precisem ficar de joelhos na parte da manhã para encontrá-los. E enquanto vocês estiverem assim, agradeçam a Deus pela graça e misericórdia e entendimento. Todos nós estamos aquém da glória, mas nós a temos em abundância – disse o astro de Hollywood.
- Se você começar a pensar em todas as coisas que você pelas quais pode agradecer, isso é já início de um bom um dia. Certamente – completou.
Atualmente atuando em uma adaptação para Broadway da peça A Raisin in the Sun, da escritora Lorraine Hansberry, Denzel Washington conta que antes de cada vez que vai subir ao palco o elenco inteiro se reúne para fazer uma oração. Segundo ele, essa oração é conduzida pelo garoto Bryce Clyde Jenkins, que interpreta o personagem Travis Younger no espetáculo.
- Temos um menino em nosso show, estamos trabalhamos com Raisin in the Sun, e nós fazemos um círculo, e oramos todos os dias – contou Washington, segundo o The Christian Post.
- E a sua oração, ele apenas pede para que nós possamos tocar alguém nessa noite. Ele diz ‘Deus, alguém lá fora precisa de nós esta noite’ – completou.
Em seu discurso, Washington orientou ainda os jovens atores a usarem seus dons artísticos de maneira correta, e a não abusarem dessa capacidade que eles têm de tocar a vida das pessoas para obter riqueza pessoal.
- Nós temos esse dom único para sair e tocar as pessoas, impactar as pessoas. Entendam esse dom, o protejam, o apreciem, utilizem esse dom, e não abusem dele – disse.
- Você nunca vai ver um caminhão de mudanças atrás de um carro funerário… agora que eu fui abençoado em fazer centenas de milhões de dólares na minha vida. Eu não posso levá-lo comigo [o dinheiro] e nem você pode. Não é o quanto você tem, mas o que você faz com o que você tem – completou o ator.

Pornografia pode ser prejudicial ao cérebro masculino.



Homens que passam muito tempo vendo pornografia na internet parecem ter menos matéria cinzenta em certas partes do cérebro e sofrem redução de sua atividade cerebral, revelou um estudo alemão publicado nesta quinta-feira nos Estados Unidos.
"Encontramos um importante vínculo negativo entre o ato de ver pornografia durante várias horas por semana e o volume de matéria cinzenta no lóbulo direito do cérebro", assim como a atividade do córtex pré-frontal, escrevem os cientistas do Instituto Max Planck para o Desenvolvimento Humano em Berlim.

"Estes efeitos poderiam incluir mudanças na plasticidade neuronal resultante de intensa estimulação no centro do prazer", acrescentou o estudo, publicado na edição online da revista "Psychiatry", da Associação Médica Americana.

Os autores, no entanto, não puderam provar que estes fenômenos sejam causados diretamente pelo consumo de pornografia e, por isso, afirmam que é necessário continuar com as pesquisas.
Mas, segundo eles, o estudo já fornece um primeiro indício da existência de uma relação entre o ato de assistir pornografia e a redução do tamanho e da atividade do cérebro como reação ao estímulo sexual.

Para realizar a pesquisa, os autores recrutaram 64 homens saudáveis com idades de 21 a 45 anos, aos quais pediram para responder a um questionário sobre o tempo que dedicavam a assistir a vídeos pornográficos. O resultado foi, em média, de quatro horas semanais.

Os voluntários também foram submetidos a tomografias computadorizadas (MRI) do cérebro para medir seu volume e observar como ele reagia às imagens pornográficas.

Na maioria dos casos, quanto mais pornografia os indivíduos viam, mais diminuía o corpo estriado do cérebro, uma pequena estrutura nervosa bem abaixo do córtex cerebral.

Os cientistas também observaram que, quanto maior o consumo de imagens pornográficas, mais se deterioravam as conexões entre o corpo estriado e o córtex pré-frontal, que é a camada externa do cérebro encarregada do comportamento e da tomada de decisões.

Via Terra

sábado, 24 de maio de 2014

Após críticas do pastor Eurico na Câmara, Xuxa chora e ouve pedido de desculpas



A polêmica declaração do deputado federal pastor Eurico (PSB-PE) sobre Xuxa Meneghel levou a apresentadora às lágrimas na tarde desta quarta-feira, 21 de maio.
Xuxa participava de uma sessão da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados como defensora da Lei da Palmada, que prevê punição a pais que forem denunciados por castigarem fisicamente seus filhos.
Durante a sessão, o pastor Eurico atacou a apresentadora, dizendo que ela havia cometido “a maior violência contra as crianças em um filme pornô” de 1982, onde ela contracenava numa cena de sexo com um menino. A reação de Xuxa foi fazer um sinal de coração com as mãos na direção do parlamentar.
Desconfortáveis com a crítica, os colegas de partido do pastor o removeram da CCJ, e se apressaram para pedir desculpas à “Rainha dos Baixinhos”. “Eu quero me desculpar muito. Em meu nome, do meu partido e em nome do Eduardo Campos. O deputado [pastor Eurico] não será mais titular da comissão e o que ele diz de jeito nenhum representa o que pensa a bancada. Desculpe, me desculpe, de coração”, afirmou o deputado Julio Delgado (PSB-MG), demonstrando clara preocupação de que o episódio recaia sobre a candidatura do ex-governador Eduardo Campos à presidência da República.
Xuxa ouviu atentamente o pedido de desculpas, mas não conteve o choro: “Olha, a minha mãe é evangélica, outras pessoas na minha família são evangélicas. Eu sei que isso não é uma coisa dos evangélicos, mas, individual, só daquela pessoa”, afirmou, demonstrando indignação com a fala do pastor Eurico.

Testemunho: vocalista de heavy metal conta como saiu de um pacto satânico e se converteu a Cristo



Kirk Martin era vocalista de uma banda de heavy metal norte americana que havia feito um pacto com o diabo para conquistar a fama. Porém, Martin relata que horas antes de assinar um grande contrato com uma gravadora, que ele afirma ser fruto de seu pacto, teve um encontro impactante, que o levou a entregar sua vida a Deus.
Segundo o Aleteia, o nome de sua banda era Power of Pride (O poder do orgulho), e ele conta que participou de inúmeros concertos, nos quais projetava uma imagem selvagem nos palcos. Sua postura nos palcos, segundo ele conta, era reflexo do ódio e das crenças que habitavam seu espírito.
- Toda a minha intenção era dizer às pessoas que elas precisavam acreditar em si mesmas, seguir suas próprias visões, seus sonhos, ainda que fosse preciso pisotear quem se interpusesse em seu caminho – conta.
- Eu estava tão cheio de ódio, que projetava esse ódio nas pessoas. (…) Dois dos membros da banda acabaram se cansando de mim, não me aguentavam mais e, de fato, decidiram abandonar a banda – completa Kirk Martin.
Entre as motivações para seu ódio ele conta que estava o abuso que sofreu na infância, quando outras crianças abusaram sexualmente dele, quando tinha apenas oito anos de idade. Em decorrência desse abuso, ele conta que passou a alimentar um ódio interno, e também um desejo de abusar sexualmente das mulheres com as quais se relacionava.
Para alcançar seus desejos de fama e a satisfação de seus desejos carnais, ele conta que se sujeitou a um pacto demoníaco, e prometeu devotar sua vida a satanás se ele atendesse aos seus anseios.
- Cravei minhas garras no chão, arranhei a terra e disse a satanás: ‘Se você me der o que eu quero, se você fizer de mim um Deus, se me der mulheres, drogas, fama e o poder de pisotear as pessoas, eu te servirei até o fim dos tempos’ – relata, afirmando que poucos dias após fazer esse pacto foi chamado por uma operadora, que ofereceu a ele um gordo contrato para gravação de um CD.
Mas Kirk recorda que sua vida começou a ser verdadeiramente transformada poucas horas antes do momento de assinar o contrato com a gravadora. Sentado em uma cafeteria, ele foi confrontado por um estranho, que falou inexplicavelmente sobre seus traumas de infância e afirmou que Jesus estava esperando por ele.
- Um cara entrou e se sentou justamente ao meu lado, mesmo havendo muitas mesas livres. Imediatamente, eu olhei para ele com esta horrível e mesquinha expressão do meu rosto – relata.
- “Olhei para ele e lhe disse: ‘Que foi, cara?’. Ele olhou para o seu café, depois olhou para mim e me respondeu: ‘O que foi, amigo?’. Eu pulei na mesa, encostei meu rosto no dele, olhei bem para ele e o xinguei de todas as formas mais imundas que me vieram à mente. Ele então me disse: ‘Deus me mandou aqui para lhe dizer que Ele ama você e quer que você saiba que Ele não foi o responsável pelos jovens que abusaram de você quando você era criança’. O mais alucinante de tudo isso foi que ele até citou os nomes dos garotos e me disse: ‘Jesus está esperando por você, está esperando que você volte para casa’ – completou Martin.
O homem foi embora e, quando Kirk tentou encontra-lo para o confrontar, ele já havia desaparecido. Ele relata que então teve uma experiência de conversão quando estava, naquela mesma noite, dormindo no ônibus da banda.
- De repente, apareceu uma grande estrela, como se caísse do céu, e o espírito do próprio Deus agiu naquele ônibus. Eu não sabia por que odiava tanto Deus. Mas tudo, simplesmente tudo desapareceu, sumiu, e a única coisa que eu sentia era amor. Eu me senti aceito, senti como se fosse aquele menino novamente, antes de abusarem de mim. Então, eu disse: ‘Jesus, vem aqui e destrói tudo, porque eu não quero mais ser isso’. Agora, eu percebo que, diante da presença de Deus, o pecado, o ódio, a fealdade não podem existir, não há lugar para isso; então, precisam sair. E todas essas coisas começaram a abandonar o meu coração – conta Kirk, afirmando que naquele momento se entregou completamente a Deus e voltou a dormir.
Ao acordar no dia seguinte, ele conta que estava completamente transformado, e que nada mais importava a ele além de Deus, nem mesmo aquele contrato pelo qual havia feito um pacto para entregar sua alma.
Então, ele procurou uma igreja em sua cidade, onde começou a viver comunitariamente o cristianismo. Ele procurou também aqueles garotos que o haviam abusado na infância e, pelo perdão e reconciliação, encerrou aquele amargo capítulo de sua história.
Com a vida completamente transformada, Kirk Martin construiu uma família e agora usa seu talento musical compondo e interpretando músicas de adoração a Deus. Ao lado de sua família, ele afora viaja pelos Estados unidos compartilhando o milagre que transformou sua vida.
- Minha esposa é simplesmente um tesouro, e minha família é o mais testemunho da piedade e da graça de Deus. Eu, que era viciado em drogas, sexo, violência, ódio, e usava a música como uma ferramenta para destruir as pessoas, fui acolhido e curado por Deus. Tudo isso para a sua glória – resume Martin, ao falar de sua nova vida.

Pastor Marco Feliciano é absolvido de acusação de estelionato por unanimidade no Supremo Tribunal Federal



O pastor Marco Feliciano foi absolvido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) da acusação de estelionato que enfrentava por não ter comparecido a um evento no Rio Grande do Sul pelo qual havia recebido cachê.
O julgamento aconteceu nesta quinta-feira, 22 de maio, com um pedido da Procuradoria Geral da República pela absolvição de Feliciano por falta de provas.
Num depoimento concedido ao STF, o pastor reconheceu que faltou ao evento por conflito de agenda, e procurou os organizadores para ressarci-los: “Procurei os advogados da pessoa, para minha felicidade descobri que eram evangélicos também, eram irmãos, e falei: ‘Eu quero aqui pagar o que eu devo, quero devolver, e quero devolver com juros e correção para que não fique nenhum tipo de celeuma’”, disse Feliciano em abril de 2013.
O pastor também ressaltou que sua presença havia sido confirmada por sua assessoria na véspera, via e-mail, contrariando o protocolo de antecedência que ele costumava adotar nessas ocasiões.
A absolvição de Feliciano no STF se deu por unanimidade, ressaltando que o pastor não cometeu crime. Os ministros pontuaram ainda que se for necessária alguma penalização a Feliciano, o caso deverá ser discutido na área cível e não na área criminal, segundo informações do G1.
Ricardo Lewandovski, ministro relator do processo, afirmou que “não há como condenar” Feliciano nesse caso, pois além da falta de provas do cometimento do crime, um parecer contrário ao deputado poderia abrir um precedente perigoso: “Todos nós, professores, ficamos impossibilitados eventualmente de comparecer a compromissos agendados. É uma temeridade dar prosseguimento à ação penal desta natureza”.

“Chega de eunucos”: um teólogo do Vaticano defende o casamento dos padres



"Sabe-se lá como o papa vai responder à carta que lhe foi dirigida por 26 mulheres que (assim se apresentaram) “estão vivendo, viveram ou gostariam de viver uma relação amorosa com um sacerdote, do qual estão apaixonadas”.
Ignorá-la não é do seu feitio, telefonar para cada signatária individual é pesado demais. Penso que ele não tem outro caminho que escrever, por sua vez, um texto. Assim, teremos a primeira epistula de coelibato presbyterorum endereçada por um papa a figuras que, até pouco tempo atrás na Igreja, eram chamadas, sem muitos eufemismos, de concubinas…

Dos fragmentos da carta divulgados na imprensa, revela-se que as autoras quiseram apresentar o “sofrimento devastador ao qual é submetida uma mulher que vive com um padre a forte experiência do enamoramento”. O seu objetivo, escrevem ao papa, foi o de “pôr com humildade aos teus pés o nosso sofrimento, para que algo possa mudar não só para nós, mas também pelo bem de toda a Igreja”. Eis o que está em jogo, o bem da Igreja.

A atual lei eclesiástica que liga obrigatoriamente o sacerdócio ao celibato favorece o bem da Igreja? Olhando para os 2.000 anos do catolicismo, descobrimos que, no primeiro, o celibato dos padres não era obrigatório (“até 1100, havia quem o aconselhasse e quem não”, escrevia o cardeal Bergoglio).

Enquanto ele se tornou obrigatório no segundo com base em dois motivos: 1) a progressiva avaliação negativa da sexualidade, cujo exercício era considerado indigno para os ministros do sagrado; 2) a possibilidade para as hierarquias de controlar melhor homens privados de família e de consequentes complicadas questões de herança.

Assim, o padre católico do segundo milênio tornou-se cada vez mais semelhante ao monge. Trata-se, porém, de duas identidades totalmente diferentes. Uma coisa é o monge, cujo voto de castidade é constitutivo do código genético, porque quer viver a sós com Deus (como já diz o termo monge, do grego mónos, sozinho, solitário); outra conta é o ministro da Igreja que determina a sua vida no serviço à comunidade.

O padre (diminutivo de presbítero, isto é, “mais ancião”) existe em função da comunidade, da qual ele é chamado a ser “o mais ancião”, ou seja, aquele que a guia por ser dotado de maior sabedoria e experiência de vida.

Ora, a questão é: a celibatização forçada favorece tal sabedoria e tal experiência? Quando os padres célibes falam da família, do sexo, dos filhos e de todos os outros problemas da vida afetiva, de que experiência dispõem?

Respondo com base na minha experiência: alguns sacerdotes dispõem de muitíssima experiência, porque o celibato lhes permite o conhecimento de muitas famílias; outros, de pouquíssima ou de nada, porque o celibato os faz se fecharem às relações em uma vida solitária e fria. Resulta daí que o celibato tem valor positivo para alguns, negativo para outros e, portanto, deve ser deixado, como no primeiro milênio, à livre escolha da consciência.

Além disso, deve-se ressaltar que a qualidade da vida espiritual não depende para todos da abstinência sexual e menos do que nunca do fato de ser desprovido de família. Basta pensar que quase todos os apóstolos eram casados, e que o Novo Testamento prevê explicitamente o matrimônio dos presbíteros (cf. Tito 1, 6).

Se, depois, olharmos para a nossa época, vemos que verdadeiros gigantes da fé, como Pavel Florensky, Sergei Bulgakov, Karl Barth, Paul Tillich eram casados.

Se os nazistas não o tivessem enforcado, até Dietrich Bonhoeffer teria se casado, e Etty Hillesum, uma das mais radiantes figuras da mística feminina contemporânea, teve uma vida sexual muito intensa. Até mesmo Raimon Panikkar, sacerdote católico, um dos maiores teólogos do século XX, casou-se civilmente, sem que a Igreja nunca retirasse a sua função sacerdotal.

“Não é bom que o homem esteja só”, declara o Gênesis 2, 18. Mas Jesus fala de “eunucos que se tornaram tais para o reino dos céus” (Mateus 19, 12). A experiência bimilenar da Igreja Católica se desenvolveu entre essas duas afirmações bíblicas, privilegiando para os padres ora uma, ora outra. Mas acho que ninguém pode defender que o primeiro milênio cristão desprovido de celibato obrigatório foi inferior ao segundo.

Hoje, com o início do terceiro milênio, penso que chegou o momento de integrar as experiências dos dois milênios anteriores e de fazer com que aqueles padres que vivem histórias de amor clandestinas (que são mais de 26) possam ter a possibilidade de sair à luz do sol, continuando a servir as comunidades eclesiais às quais eles vincularam as suas vidas. A sua “ancianidade” não poderá senão se beneficiar com isso.

Depois, há os muitos milhares de padres que deixaram o ministério por amor a uma mulher (mas que continuam sendo padres por toda a vida, porque o sacramento é indelével) e que poderiam voltar a dedicar a vida à missão presbiteral, marcados por tanta e sofrida ancianidade."

sábado, 17 de maio de 2014

Justiça Federal define que cultos afro-brasileiros, como a umbanda e candomblé, não são religião


A Justiça Federal no Rio de Janeiro emitiu uma sentença na qual considera que os “cultos afro-brasileiros não constituem religião” e que “manifestações religiosas não contêm traços necessários de uma religião”.
Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel
A definição aconteceu em resposta a uma ação do Ministério Público Federal (MPF) que pedia a retirada de vídeos de cultos evangélicos que foram considerados intolerantes e discriminatórios contra as práticas religiosas de matriz africana do YouTube.
O juiz responsável entendeu que, para uma crença ser considerada religião, é preciso seguir um texto base – como a Bíblia Sagrada, Torá, ou o Alcorão, por exemplo – e ter uma estrutura hierárquica, além de um deus a ser venerado.
A ação do MPF visava a retirada dos vídeos por considerar que o material continha apologia, incitação, disseminação de discursos de ódio, preconceito, intolerância e discriminação contra os praticantes de umbanda, candomblé e outras religiões afro-brasileiras. “Para se ter uma ideia dos conteúdos, em um dos vídeos, um pastor diz aos presentes que eles podem fechar os terreiros de macumba do bairro”, disse o procurador regional dos Direitos do Cidadão, Jaime Mitropoulos.
De acordo com o site Justiça em Foco, o MPF vai recorrer da decisão em primeira instância da Justiça Federal para continuar tentando remover os vídeos da plataforma de streaming do Google.
“A decisão causa perplexidade, pois ao invés de conceder a tutela jurisdicional pretendida, optou-se pela definição do que seria religião, negando os diversos diplomas internacionais que tratam da matéria (Pacto Internacional Sobre os Direitos Civis e Políticos, Pacto de São José da Costa Rica, etc.), a Constituição Federal, bem como a Lei 12.288/10. Além disso, o ato nega a história e os fatos sociais acerca da existência das religiões e das perseguições que elas sofreram ao longo da história, desconsiderando por completo a noção de que as religiões de matizes africanas estão ancoradas nos princípios da oralidade, temporalidade, senioridade, na ancestralidade, não necessitando de um texto básico para defini-las”, argumentou Mitropoulos.

segunda-feira, 12 de maio de 2014

Menino de seis anos de idade opera milagres ao impor as mãos sobre enfermos e orar por cura



Um menino de seis anos de idade tem sido o centro das atenções numa igreja do estado norte-americano da Pensilvânia por impor as mãos sobre enfermos e estes serem curados. Joey, como é chamado o menino, tornou-se uma espécie de canal de milagres quando sua tia estava doente e ele orou por ela de forma espontânea.
A tia de Joey, Mindy, estava debilitada e recusando visitas, quando o menino insistiu para vê-la. Ao encontrá-la, foi sincero e objetivo, segundo sua mãe: “Joey colocou a mão na sua cabeça, e disse: ‘Pai Celestial, peço-lhe para tocar a minha tia Mindy e curá-la, porque sabemos que por suas palavras ela será curada. Obrigado por sua cura em nome de Jesus. Amém”.
A situação de Mindy, até aquele momento, era bastante grave: “Quando chegamos à casa, fiquei chocada com a forma como a minha irmã me olhou. Eu quase não a reconheci. Ela estava tão fraca, que nem sequer conseguiu levantar a cabeça do sofá, onde ela estava deitada e coberta. Ela só abriu os olhos e olhou para nós. A pele estava pálida; Havia círculos escuros sob os olhos afundados, gotas de suor em sua testa, e dava a impressão de que estava morrendo. Joey olhou para ela e disse: ‘Eu vim para orar por você. Eu vou curá-la em nome de Jesus’. Eles apenas se entreolharam em silêncio, como se estivessem tendo uma conversa que ambos entendiam. E ela cedeu”, relatou a mãe do menino.
Segundo ela, durante a oração, o aspecto de debilidade foi sendo substituído por uma aparência mais saudável: “Enquanto ele orava, abri meus olhos e fiquei admirada com a transformação que eu estava presenciando. Foi um milagre. Se eu não tivesse visto isso por mim mesmo, eu não teria acreditado. A cor começou a subir de volta em seu rosto. Seus olhos sem brilho começaram a brilhar. Aquela pessoa que estava fraca demais para levantar a cabeça, agora tinha se sentado”.
A tia do menino, grata pela cura, afirmou ao Charisma News que Joey era a representação da providência divina: “Ele era a resposta às minhas orações”. A jornalista Becky Fischer comentou em seu texto sobre o menino que “é vital que entendamos o potencial de até mesmo as crianças mais pequenas, quando eles são ensinadas sobre a Palavra de Deus, pois quando os dizemos no que crer, eles entregam uma fé muito maior do que todos os adultos”.
Atualmente, pessoas enfermas vão aos cultos da igreja frequentada pela família de Joey e recebem orações do menino, com imposição de mãos, para que sejam curadas.
Gospel+

Wagner Moura se nega a interpretar Edir Macedo em filme que contará a história do bispo



O ator Wagner Moura descartou a possibilidade de interpretar o bispo Edir Macedo no filme que contará a trajetória de vida do líder da Igreja Universal do Reino de Deus.
A negativa de Moura veio antes mesmo de a Record fazer o convite a ele: “Não vou interpretar o Edir Macedo, como já sugeriram. Sei que a Record, há muito tempo, convidou o [José] Padilha (Tropa de Elite, Robocop) para dirigir a biografia dele, mas nunca me chamaram. E se me chamarem, não farei, porque já tenho um projeto com o Karim Ainouz (diretor de Praia do Futuro) de fazer um filme tendo um pastor evangélico como personagem principal”, disse o ator.
Segundo informações do site Pure People, outro motivo para a recusa de Wagner Moura são os projetos já agendados para cinema e televisão. O ator revelou ainda que trabalhará na série Colômbia, uma produção do Netflix sobre o tráfico de drogas no país vizinho.
“Estou me preparando para fazer o Pablo Escobar (traficante colombiano) em uma série para o Netflix, falada em inglês e espanhol. Vou para a Colômbia em julho e ficarei dois anos lá. Já temos duas temporadas garantidas”, disse Moura.
O filme sobre a vida de Edir Macedo vem sendo desenvolvido pelo braço de entretenimento da TV Record em parceria com um produtor ex-sócio de uma revista pornográfica. O roteiro será baseado nos livros biográficos do líder da Igreja Universal, O Bispo e a trilogia Nada a Perder.

Descriminalização das drogas no Brasil - VOTE.



O pastor Silas Malafaia, líder da Igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo, está convocando cristãos a participarem de uma campanha contra a descriminalização das drogas no Brasil. Através do seu site, Malafaia incentiva as pessoas a votarem “não”, na enquete feita pela Câmara dos Deputados sobre o tema.
A enquete traz a seguinte pergunta: “Você é a favor da descriminalização das drogas para consumo próprio?”.
O texto publicado no site do pastor critica a possibilidade da descriminalização, afirmando que o vício de drogas atinge quase seis entre cada 100 brasileiros, sendo 8 milhões de pessoas que provocam problemas em suas famílias. O que resulta em um total de cerca de 28 milhões de brasileiros atingidos indiretamente pelo vício de drogas.
- A maconha causa perda cognitiva, ao invés de redução de ansiedade. Causa indiferença ao invés de relaxamento. Causa desmotivação ao invés de paz interior. Todos muito mais próximos da psicopatologia do que do bem-estar – afirma o texto, citando a psiquiatra Analice Giglioti, da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP).
- Assim, o que nosso país precisa é de um sério trabalho e investimento na prevenção! A prevenção no sentido de educar, conscientizar o jovem para assumir atitudes responsáveis na identificação e no manejo de situações de risco que a droga pode causar e que possam ameaçar a sua dignidade – completa, pedindo para que o cristão “não deixe de contribuir na discussão deste tema tão importante para a sociedade brasileira”.
Malafaia divulgou a campanha também através das redes sociais, publicando uma chamada para a campanha em sua conta no Twitter.
O pastor Silas Filho também divulgou a campanha na rede social.
Clique aqui para participar da enquete.

Por Gospel+

sexta-feira, 9 de maio de 2014

Adolescente corta a própria língua para oferecer a deus hindu


Adolescente corta a própria língua para oferecer a deus hindu

De acordo com o jornal Daily Mail um adolescente indiano resolveu cortar sua própria língua como um ato de devoção ao seu deus hindu. Lalmohan Soren, de 17 anos, foi encontrado no Templo Mahedevgarha, na Índia, nesta quarta-feira (7) por religiosos que chegaram cedo para fazer suas orações matinais.
O jovem estavam ensanguentado e apontou para uma tigela onde havia colocado sua língua com uma nota que dizia: “Eu cortei minha língua e ofereci ao deus Shiva. Por favor, não me tirem do templo porque eu só quero me assentar aos pés de deus”.
Os religiosos chamaram o líder do templo que conseguiu convencer Soren a ser hospitalizado. Os médicos tentaram costurar a língua do jovem, mas não tiveram sucesso. Soren mora em uma região que, de acordo com o tablóide inglês, é comum ter tribos supersticiosas, como a Santhal, que são famosas por praticarem rituais incomuns para agradar seus deuses.
A família do adolescente ficou chocada com a atitude dele e para os jornais locais a mãe, Lalmuni Soren, afirmou que seu filho é envolvido com a religião desde a infância.
“Ele tem grande interesse em rituais, mas eu nunca imaginei que ele teria coragem de tirar a língua para agradar os deuses. Eu não sei o que acontecerá com ele agora, porque nunca mais vai falar corretamente. O futuro dele será com deuses”, disse ela.
Lalmohan não consegue mais falar e está em casa se recuperando apenas com alimentos líquidos. A família acredita que os deuses irão lhe recompensar por tamanho sacrifício.

Dona de casa linchada após falsas acusações carregava Bíblia com fotos das filhas no momento do ataque



A dona de casa Fabiane Maria de Jesus, 31 anos, linchada em público por conta de rumores que atribuíam a ela supostos sequestros de crianças para prática de rituais de magia negra, carregava consigo no momento do ataque uma Bíblia com fotos de suas filhas.
Fabiane, que tinha problemas psicológicos, foi enterrada na última terça-feira, 06 de maio, após o espancamento sofrido no Guarujá, litoral paulista.
O ataque aconteceu depois que uma página no Facebook divulgou um retrato falado de uma mulher que, segundo boatos, sequestrava crianças. A semelhança entre Fabiane e o retrato levou os moradores a acreditarem que ela seria a autora dos supostos crimes, que não foram confirmados pela polícia.
De acordo com informações do jornal O Estado de S. Paulo, os familiares descreveram Fabiane como uma pessoa muito religiosa, e no dia que foi linchada, tinha saído para buscar sua Bíblia na igreja São João Batista, também no Guarujá.
Assustados com a “falta de amor no coração”, os familiares disseram ainda que Fabiane havia emprestado sua Bíblia para uma amiga que estava fazendo aniversário, e havia recomendado a leitura de um Salmo.

Comemoração do Dia das Mães surgiu de uma história de fé e valorização dos princípios cristãos; Entenda a origem



O Dia das Mães é uma data que, atualmente, tem uma abordagem bastante comercial, com foco em compras, presentes e homenagens. No entanto, o surgimento dessa data tem uma história de bastante proximidade com a fé.
A jornalista Antonia Blumberg publicou um artigo no Huffington Post com um relato bastante sucinto da origem do Dia das Mães, e afirmou que “a única coisa melhor que o Dia das Mães é a sua história feminista radical rica em valores religiosos”.
De acordo com Antonia, o Dia das Mães “é o resultado de anos de ativismo das mulheres, que coincidiu com outros movimentos de mulheres – como o sufrágio das mulheres e movimentos sindicais – em torno da virada do século 20”.
À época, ativistas femininas lutavam para organizar as mães em clubes que lutavam para ajudar a melhorar a saúde e o saneamento através de campanhas de conscientização. Uma das principais ativistas, a poetisa Julia Ward Howe, publicou um poema intitulado “A Proclamação do Dia das Mães”, que convocava as mulheres a lutarem por seus direitos.
“Digam com firmeza: ‘Não teremos grandes questões decididas pelos órgãos irrelevantes. Nossos maridos não chegarao a nós, fedendo [...]Nossos filhos não serão tirados de nós para desaprender tudo o que temos sido capazes de ensiná-los, como caridade, misericórdia e paciência”, dizia trecho do poema, em protesto ao tratamento que as mulheres recebiam da sociedade.
Antonia ressalta que a também ativista Ann Reeves Jarvis se destacou por, além de defender o interesse das mulheres, ser uma entusiasta da paz nos anos de guerra civil: “Jarvis tratava soldados feridos e depois da guerra se dedicou á sua fé, através do ensino da Escola Dominical nas últimas décadas de sua vida. Sua filha, Anna, disse que lembrava de ouvir sua mãe ensinando na escola dominical e guardou uma oração dela que dizia ‘espero e oro para que alguém, em algum momento, encontre um dia para ser um memorial das mães, comemorando seu serviço incomparável prestado à humanidade em todos os campos da vida. Elas tem direito a isso’”, relatou a jornalista.
Ann Reeves Jarvis faleceu em 1905, e sua filha iniciou uma campanha por um feriado nacional em comemoração às mães em todos os Estados Unidos. “Ela enviou cartas ao presidente William Taft e o ex-presidente Theodore Roosevelt, pediu a ajuda financeira ao dono de uma loja de departamentos na Filadélfia, John Wanamaker, e organizou a celebração à sua própria mãe numa igreja metodista em Grafton, West Virginia”, contextualizou Antonia Blumberg.

domingo, 4 de maio de 2014

Cantores gospel gravam música contra prostituição infantil na Copa do Mundo; Assista clipe com Ana Paula Valadão, Fernanda Brum e Eyshila, entre outros



Uma das maiores preocupações das entidades de defesa dos Direitos Humanos sobre a Copa do Mundo no Brasil está ligada à exploração sexual durante a realização do evento esportivo.
Nesse contexto, um grupo de artistas gospel brasileiros se reuniu e gravou uma música com mensagem contra a prostituição infantil.
A iniciativa faz parte da campanha “Liberta-me”, criada pela Christian Broadcasting Networking (CBN), uma emissora cristã presente em 147 países com programas de rádio e televisão.
A música “Liberta-me, Brasil”, composta por Ana Paula Nóbrega, alerta sobre o turismo sexual e a exploração de menores para fins de prostituição, e oferece uma mensagem de esperança a crianças e adolescentes que são vítimas de exploradores.
Participaram da gravação cantores como Soraya Moraes, Ana Paula Valadão, Mariana Valadão, Fernanda Brum, Eyshila, Juliano Son, Mariana Ava e David Quilan.
Nas redes sociais, o clipe da música oficial do projeto já está sendo compartilhado pelos internautas. Confira no vídeo abaixo:
Fonte: Gospel+

Líder cristão questiona: Os apóstolos de Jesus reconheceriam a igreja atual como representante do Evangelho?



A igreja evangélica atual se difere em muito da Igreja Primitiva, não só pelas questões contemporâneas e mudanças culturais, mas também pela forma como interpreta o Evangelho, e o aplica em seu cotidiano. Essa é uma constatação feita por muitos teólogos, independentemente da linha doutrinária que sigam.
Nesse cenário, o editor do portal Charisma News, Marcus Yoars, publicou um artigo questionando se “os apóstolos de Jesus reconheceriam a igreja contemporânea” como representante do cristianismo.
No texto, Yoars afirma que “pelos padrões de hoje na igreja, Jesus não seria qualificado para ser um pastor, nem o seu ministério seria destacado como um modelo para plantadores de igrejas”. O contexto usado pelo jornalista é o da igreja norte-americana, mas pode ser facilmente enquadrado no cenário das igrejas do mundo ocidental, incluindo o Brasil.
“Jesus teve a maior pregação, ensino e ministério de cura na história. Milhares de pessoas iam a ouvi-lo, seguindo todos os seus movimentos, e saíam às ruas para obter um vislumbre dele ou simplesmente tocá-lo. No entanto, em meio à sua grande popularidade, Ele intencionalmente ofendeu os líderes religiosos, desafiou potenciais mega-doadores e eliminou seguidores casuais com ensinamentos difíceis. Não é exatamente a estratégia que você gostaria de encontrar hoje para fazer sua igreja crescer, muito menos sua página no Facebook ou perfil no Twitter”, escreveu Yoars.
Na sequência, o jornalista lembra a essência subversiva da mensagem de Jesus e critica a forma como o Evangelho tem sido maquiado: “Ele pregou uma mensagem intransigente da verdade; Nós adoçamos o evangelho até que estejamos açucarados pelo engano. Ele caminhou entre os Seus inimigos em amor; Nós banimos nossos inimigos explodindo-os por todos os seus pecados”, comparou.
Numa pequena lista, Yoars conclui que falta à igreja ingredientes como amor, oração, perseguição e poder. Segundo ele, a perseguição é uma importante ferramenta de união para a igreja: “Nós, no Ocidente, comparamos a liberdade religiosa e a falta de perseguição com bênção. No entanto, quando você olha para as igrejas mais poderosas do mundo, onde o Espírito se move livremente e em plenitude, você vai sempre encontrar perseguição. É hora de acordar e perceber que a perseguição galvaniza e unifica o corpo de Cristo como poucas outras pressões. Lembre-se, Jesus prometeu perseguição para aqueles que realmente o seguissem (Mt 5:11-12, João 15:20)”, pontuou.
Gospel+